segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Porque guardo fotos velhas, mas não armas velhas

Quando cheguei na academia da Vila Madalena, vi no fundo de uma gaveta alguns álbuns de fotos antigas da academia. Fotos antigas mesmo, como uma do Anderson (instrutor da Mooca) quando ele REALMENTE tinha cara de menino e por aí vai. Encontrei fotos de muitas pessoas que já não estão mais na TSKF, sejam ex-instrutores ou ex-alunos.

Eu tinha duas alternativas: ou pegava tudo e jogava fora, ou deixava à disposição de todos. Optei pelo segundo caminho...Claro, poderia ter deixado tudo guardado onde estava, mas coisas guardadas não nos ajudam a tocar o presente ajudam?

Hoje as fotos estão na secretaria e geram alguma surpresa nos alunos novos em ver caras "da antiga". Os nosso velhos de hoje também gastam algum tempo vez ou outra observando os caras que eram antigos quando eles eram novos e por aí vai...

Eu decidi manter as fotos velhas por que elas representam parte da história da academia. Cada um dos momentos retratados é um tijolo que ajudou a construir esta academia. Todos eles são importantes, mesmo aqueles que hoje não estão mais na academia. Seus bons momentos não devem ser esquecidos e os méritos não merecem ser apagados.

Por outro lado, fechamos nesta semana uma limpeza das lanças e bastões antigos. Removemos uma série de bastões que não eram de ninguém que estavam na academia até hoje, que estavam aglomerados em dois suportes de armas e dois cestos. Não sei bem quantos bastões tinham, mas era coisa pra caramba!

Mas os bastões e lanças não representam "tijolos" também?

Sim. Mas para seus donos. Digamos que a "energia" do dono está presente em cada arma. Entretanto, os feitos realizados com aquela arma (treino, competições, aprendizado) são para seu dono e não para a academia. A partir do momento que o dono deixou a academia, sua arma não significa nada para a academia em si. O correto teria sido o respectivo dono levar sua arma para casa, que está "energizada" com suas experiências e lições. Mas às vezes simplesmente queremos deixar o passado para trás ou minimizar sua importância e isso é totalmente compreensível.

Mas, sendo prático e menos filosófico, as armas eventualmente podem ser usadas por outras pessoas no seu aprendizado. Ainda assim, sempre recomendo que cada aluno tenha sua própria arma. Sua arma. Sua energia. Suas conquistas.