terça-feira, 7 de junho de 2011

Resoluções

Fazer um regime. Trocar de emprego. Ficar mais com os filhos. Parar de fumar. Fazer uma pós. Muitas são as coisas que queremos fazer, mas nem sempre conseguimos fazê-las.

Mas desta vez não quero voltar no clássico universo das desculpas, mas o que podemos chamar de "gerador de desculpas". Afinal, quando damos uma desculpa, um processo mental prévio aconteceu antes das primeiras palavras saírem de nossa boca.

Vamos imaginar que você deseja parar de fumar. Mas não é um desejo lá tão forte e você não tomou aquela resolução definitiva de eliminar este vício da sua vida. O resultado disso é simples: nos primeiros dias sem cigarro tudo caminha bem, até porque você planejou essa parada em um final de semana, longe da rotina do trabalho que é mais fácil.

Mas ao entrar no ritmo de vida normal da semana, percebe que é muito difícil não se estressar no trabalho, em casa, faculdade e o cigarro acaba sendo uma reação imediata de fuga e um momento de calma. Eventualmente você acaba desistindo de parar de fumar. Quando isso acontece, aí sim vem a desculpa: "minha vida é muito estressante", "não tenho apoio de ninguém", etc, etc, etc.

No exemplo acima, você começou um processo sem uma firme resolução de sua vontade e, ao encontrar as primeiras dificuldades e barreiras para o que queria atingir, sua vontade diminuiu e você voltou ao velho hábito, mais fácil, mais cômodo, sem dor. Apenas seguiu a tendência natural que temos de preservar hábitos confortáveis, sem mudanças, surpresas ou desafios.

Mas quando queremos superar um desafio, temos que ter a firme resolução de fazer o que buscamos, com todo o esforço do nosso ser.

Muitos de vocês já conheceram meu pai, senhor simpático e falante que vez ou outra aparece nas academias vendendo produtos variados para as unidades. Mas quando eu era novo, ele era barrigudinho, sedentário, fumante e alcóolatra.

Com o tempo ele percebeu que isso iria matá-lo e ele não queria morrer tão cedo. Decidiu então parar de beber e fumar e começou a correr. Quando começou este esporte ele não tinha nenhum acompanhamento, exceto coisas que escutava aqui e ali, numa época de internet ainda inacessível para as massas.

Ele pegou gosto pela coisa e percebeu que poderia correr distâncias cada vez maiores. Resolveu então completar uma maratona, depois de apenas 5 meses de treino. Usando seu tênis de corrida: um velho Bamba. Para quem não conhece este é o Bamba:




Como podemos ver, totalmente inadequado para enfrentar os 42.195m de uma maratona.

Após os primeiros 100 metros, ele percebeu que havia subestimado a dureza da prova e superestimado sua capacidade como corredor. Mas uma coisa fez toda a diferença: ele já tinha decidio completar esta maratona e iria terminar a prova a qualquer custo, não importando o sangue nos pés machucados, as cãibras (não comeu banana), fadiga muscular, stress psicológico, nem nada. Ele havia dito a si mesmo que iria terminar a prova e era o que ele ia fazer.

E assim foi, com o tempo de 4 horas e 57 minutos.

Faça sua Resolução. Mas faça sendo sincero e verdadeiro com você mesmo. Não queria uma coisa apenas até o momento da(s) primeira(s) dificuldade(s).