terça-feira, 29 de março de 2011

Feedback

Eu comecei meu projeto para ser instrutor de Kung Fu e sócio da TSKF em 2006, quando comecei a "estagiar" na TSKF Matriz, sob supervisão do Mestre Gabriel.

Eu vinha de nove anos trabalhados em uma empresa líder do mercado de TV por assinatura e tinha percebido que não aceitava mais muitas coisas que aconteciam na empresa algumas deles que poderiam inclusive ser assunto para o Wikileaks...Percebi que era o momento de mudar de ares, mas sabia também que seria muito difícil arrumar algo fora deste segmento.

Acabei por receber um convite para trabalhar em uma empresa terceira da minha atual na época. Aceitei o convite já que iria trabalhar com uma gestora a quem eu realmente admirava e sabia que poderia me fazer crescer como profissional. Mas no meio do caminho havia a política e, devido à uma mudança do quadro diretivo da minha nova empresa, minha gestora foi demitida. [ironico mode on]Tudo dentro do mais alto padrão de segurança e estabilidade que a CLT traz para nós.[ironic mode off]

A nova gestora entendeu, em uma semana, que eu não era apto para ser o coordenador de projetos da área e decidiu que eu iria ter um coordenadora de projetos. Sim. É isso mesmo: eu teria acima de mim alguém com um cargo exatamente igual ao meu. Na verdade, uma estratégia para que pedisse demissão e a estrutura ficasse "adequada". Foi exatamente nessa época que comecei como instrutor.

Eu percebi que várias coisas que aconteciam na minha antiga empresa estavam acontecendo em minha nova empresa. Mas mais importante que isso, percebi que isso aconteceria em qualquer empresa e, se não fosse eu sofrendo isso de alguém, haveria uma grande chance de eu fazer isso à alguém. Ou seja, o problema não eram as empresas, elas estavam fazendo coisas que eram da "natureza delas". O problema na verdade era eu, que não mais entendia isso como algo correto para os meus valores.

Assim, eu sabia que poderia continuar trocando e trocando de empresa, mas sempre estaria insatisfeito. Decidi então construir um caminho diferente e passei a usar meu emprego como a ferramenta para isso. Não se tratava mais da minha empresa me usar ao longo do mês e, no final, me dar dinheiro. Era eu que a usava, dando à ela parte da minha capacidade produtiva, para que ela me desse o dinheiro necessário para construir um dos meus sonhos.

Algum tempo depois, minha gestora entendeu que, se não bastasse eu ter uma chefa com o mesmo cargo que eu, nós deveríamos ter uma gerente também (??). Assim o cadeia de comando era minha gestora, minha nova gerente, minha chefa/coordenadora e eu. Abaixo da minha chefa/coordenadora havia um grupo de analistas e abaixo de mim, outro.

Minha chefa/coordenadora não ficou muito tempo mais na empresa, já que o ambiente não estava mais tão adequado para ela e aceitou um novo trabalho desafiador e financeiramente interessante. Mantemos contato até hoje e ela é realmente alguém muito especial.

Com a vaga de chefe/coordenador em aberto, foi aberto um processo seletivo para pessoas de fora da empresa e também para funcionários. Para espanto geral, eu me candidatei à vaga. Ninguém do RH entendeu bem, já que eu estava me candidatando para um cargo que eu já tinha e isso gerou uma pequena confusão interna para meu divertimento. Conversa vai, conversa vem, me deixaram participar do processo, já que não havia regra que pudesse me impedir.

E não passei no processo seletivo para ocupar o cargo que eu já tinha (!!).

Minha gerente então me deu o melhor feedback que eu poderia ter recebido. Ele foi responsável por assassinar de vez qualquer chance de continuar trabalhando como CLT. Ela me disse três motivos pelos quais eu não fui aprovado no processo seletivo:

1- Trabalhe mais
Eu nunca seria aprovado em qualquer processo seletivo em qualquer empresa naquela empresa se não fizesse muitas horas extras, ficasse até mais tarde e viesse trabalhar em alguns finais de semana por mês.

2- Aprenda a lidar com diferentes tipos de cliente
Eu só sabia lidar com o cliente que era a minha velha empresa. Sem saber lidar com outros perfis de clientes me deixaria com uma visão míope do mercado e não me faria ter idéias de soluções novas.

3- Invista no seu desenvolvimento
Fazer networking, cursos, ir em palestras. Essas coisas contam para você ser lembrado no mercado e para agregar novos conhecimentos para uso no trabalho.

Olhando para trás, essas três coisas são extremamente comuns na minha rotina atual. Mas o que minha ex-gerente não contava é que eu coloquei, por conta própria e muito tempo antes, um motivo de "número 0" na pequena relação acima:

0- Trabalhe em algo que você acredita
De que adianta se matar de trabalhar, lidar com uma multidão de clientes diferenciados, estudar, ler e ralar, se você está fazendo algo em que não acredita que vai agregar valor para o mundo de alguma forma?

Algum tempo depois, com um novo coordenador como meu chefe, fiz um acordo com a empresa e fui desligado. Nesta época a TSKF Consolação e a TSKF Mooca já estavam montadas e funcionando e eu estava com o caminho traçado para a TSKF Vila Madalena. Ninguém pode dizer que eu não sei lidar com vários projetos simultaneamente...