sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Porque ser bem sucedido



Jesus Cristo, Mahatma Gandhi, Buda, Pelé, Lula, Bill Gates, Donald Trunp, Bruce Lee, Jakie Chan, Jet Li, Airton Senna etc.

Afinal de contas, o que essas pessoas têm em comum. Posso dizer que pelo menos duas coisas.

1 – Todos eles foram ambiciosos o suficiente e, portanto, bem sucedidos no que desejaram.

2 – Todos eles além de bem sucedidos conquistaram milhões de admiradores e seguidores.

Sou capaz de dizer que o que mais impede o desenvolvimento do Kung Fu no mundo é exatamente a aversão que a maioria dos praticantes e mestres tem da ambição e do capitalismo e da noção errada do que eles pensam ser tradição, isso ocorre principalmente por ignorância a respeito do que essas coisas realmente significam, sem contar é claro na total falta de espírito empreendedor e empresarial.

Para a grande maioria dos professores e praticantes, ter ambição soa como pecado ou alguma coisa muito errada que não deveria existir no meio das artes marciais. Onde começou esse pensamento e essa cultura eu não sei dizer, posso apenas imaginar.

Fico pensando se o fato da maioria dos mestres não conseguirem ser bem sucedidos monetariamente falando não os levam a incutir na cabeça de seus alunos que isso é errado, talvez até mesmo inconscientemente, por medo de que eles consigam aquilo que eles mesmos foram incompetentes pra conseguir. Acredito que esse tipo de pensamento passado de mestre pra aluno vem gerando uma reação em cadeia que tem prejudicado muito o crescimento da nossa arte.

Refletindo um pouquinho mais, eu fico pensando por que diabos a gente estuda do primário até a faculdade. Será que faríamos isso sabendo que no final de tudo, a única coisa que conseguiríamos seria apenas receber o salário mínimo suficiente pra sobreviver ou porque na verdade desejamos um pouco mais. Digo isso porque é exatamente o que ocorre com o Kung Fu, treinam-se anos a fio pra um dia desistir porque não chegou a lugar nenhum.

Nesses últimos trinta anos observo que a maioria dos alunos de kung fu desiste em duas fazes muito críticas para o crescimento de nossa arte. A primeira onde a grande maioria desiste é nos primeiros três meses de treino, exatamente quando o kung fu ainda não é gostoso, quando ainda lhes doem o corpo por falta de condicionamento físico e quando ainda não se acostumaram com a disciplina um pouco mais rígida. A segunda é quando o aluno já se tornou muito antigo e percebe que seus mestres mal conseguem sobreviver dando aulas, então, decide que não quer o mesmo pra sua vida e seguem carreira em outra área, afinal de contas, todos querem ter condições de ter seu carro, sua casa e sustentar sua própria família.

Ao contrário do que muitos pensam, fazer bem pra nossa arte é se tornar bem sucedido. Fazer bem para a nossa arte é fazer o que fizeram Bruce Lee, Jakie Chan, Jet Li e os cineastas e empresários que os ajudaram a serem famosos e bem sucedidos colocando-os no cinema para que o mundo todo pudesse ver.

O mundo segue os heróis e os bem sucedidos, ninguém vai querer seguir o Zezinho ou aquele mendigo da esquina. É por essas e outras razões que precisamos urgentemente mudar essa cultura maldita de pobreza dentro do kung fu. É por isso que urge que ajudemos a formar pessoas bem sucedidas e ricas em nossa arte para que nossos filhos possam ter os seus heróis e possam querer seguí-los e fazer o mesmo que eles.

Formar pessoas e torná-las bem sucedidas, sempre foi e sempre será uma de minhas metas e certamente é uma das minhas grandes fontes de prazer e felicidade. Nada me deixa mais feliz do que ver meus alunos sendo bem sucedidos como sócios de minha organização.

Se eu tivesse que dizer alguma coisa pra vocês pra fazer com que nossa arte cresça, eu diria simplesmente; sejam bem sucedidos, façam sucesso, sejam ricos e felizes ensinando kung fu. Isso certamente desenvolverá a nossa arte pois o mundo segue os bons e os campeões.