sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Kung Fu e a Procura dos Desesperados

"O Kung Fu será para você aquilo que você desejar que ele seja" Quando eu criei essa frase, não foi com a intenção de dizer para os alunos, que sua academia, seu mestre ou o Kung Fu, existe para satisfazer seus caprichos. Hoje em dia as pessoas acreditam que porque estão pagando, temos que satisfazer seus desejos. Isso pode ser verdade por ai, não na nossa escola. 

É muito comum quando alguém quer treinar Kung Fu idealizar certo tipo de academia, certo tipo de mestre e certo tipo de Kung Fu, principalmente pelo que viu nos filmes. Por conta disso, quando começam a treinar acham que essas coisas têm que se adaptar ao seu ideal e não o inverso.

Quando essas pessoas entram numa boa escola, onde existem certos protocolos, como, por exemplo, regulamentos e normas de conduta, elas logo se decepcionam e pensam: “Nossa onde já se viu tratar um cliente dessa maneira”, então, inventam uma desculpa e vam embora.

Tão comum quanto esse tipo de aluno, existe também aquele que já atingiu certo nível e que, por conta disso, desenvolve sua própria tese do que seria uma boa escola ou um bom mestre, então, sai à caça dessa nova escola e desse novo mestre que poderia satisfazer seu ideal imaginário.

Existe também o aluno orgulhoso, aquele que não se curva, nem à sua escola nem ao seu mestre. Esse tipo é aquele que insiste em querer fazer as coisas à sua própria maneira, porque acredita que está acima delas, querem sempre dar um jeitinho para provar que são melhores que os demais, portanto, não precisa disso.

Esses tipos de alunos jamais encontram o que procuram, passam a vida inteira pulando de galho em galho, de escola em escola, de estilo em estilo, de arte marcial em arte marcial, esperando que alguma delas reconheça o seu valor e satisfaça os seus caprichos. Por fim, como isso raramente acontece, encerram suas carreiras, e se tornam ex. praticantes de alguma coisa e peritos em coisa nenhuma.

Lembre-se “O Kung Fu será para você aquilo que você desejar que ele seja”, mas, não será sua escola, seu mestre ou seu estilo que fará isso por você, mas, você mesmo. Sua escola e seu mestre ensinam para todos de uma mesma maneira, respeitando os limites de cada um, portanto, não espere que eles se adaptem às suas necessidades. Já foi dito que o pior dos erros seria alguém tentar agradar a todo mundo. Nem Jesus Cristo conseguiu isso.