quarta-feira, 19 de outubro de 2016

TSKF Entrevista #1

TSKF Entrevista é uma série de 10 entrevistas que faremos aqui no Blog. Toda semana teremos um convidado contando um pouco de sua história antes de iniciar o Kung Fu.

Em nossa primeira entrevista conversaremos com o Shifu Danillo Cocenzo.

Shifu Danillo, Iniciou seus treinos aos 22 anos, indo contra o pensamento de muita gente, que pensa que é preciso começar a treinar Kung Fu desde criança. Começou a dar aulas em 2006, como aprendiz de instrutor, para posteriormente, em 2009, dedicar-se integralmente à esta atividade.

Antes da TSKF atuava na área de Atendimento ao Cliente, como Coordenador de Projetos. Já participou de diversos campeonatos como competidor é árbitro no Brasil e no exterior. Passou por experiências fascinantes em sua trajetória nos campeonatos, mas gosta sempre de lembrar que: “O evento que mais vai me marcar será o próximo, porque quando eu chegar nele, devo estar em um nível melhor fisicamente e psicologicamente. O eterno compromisso de evolução constante é fundamental em nossa área”.

Graduou-se faixa preta em 2009, época em que atuava como instrutor na TSKF Mooca. Ajudou a abrir e gerir as unidades TSKF Consolação (em 2008), Mooca (em 2009), Barro Preto (em 2012) e, recentemente, a TSKF Padre Eustáquio (aberta em 2015).

É árbitro internacional de Kuoshu (Lei Tai), certificado pela TWKSF (The World Kuo Shu Federation); palestrante e autor do livro Di Zi Gui – O Livro Negro das Artes Marciais e coautor do livro Wu De – A Ética do Kung Fu nos Dias Atuais. Em 2014 foi graduado 4º Tuan pelo próprio Mestre Gabriel, conquistando assim o título de Shifu.

=============================================================

O que o Kung Fu significa para você?

O Kung Fu é uma ferramenta. Nada mais. Ele pode ser usado para melhorar a Saúde, pode ser usado como meio de vida, pode ser usado para causar dor em alguém ou trazer alegrias. O mais importante do Kung Fu é o que o Mestre Gabriel ensina: ele será para você aquilo que você quer que ele seja.

Shifu, o que lhe motivou a trabalhar com o Kung Fu?

A possibilidade de ajudar pessoas a criarem versões melhores de si mesmas. E isso também me inclui. Por mais que eu ensine a mesma postura centenas de vezes para as pessoas, cada vez é uma oportunidade que tenho de ensinar melhor e me tornar alguém melhor no processo. Já o aluno pode ter um novo “eu”, mais saudável, mais consciente de si mesmo e com a mente mais afiada pelo Kung Fu.

Você começou a dar aulas em São Paulo, passou pelas Unidades da Consolação, Mooca e Vila Madalena. Em 2012 você se mudou para Belo Horizonte e montou a Unidade Barro Preto. O lhe motivou a ir para um outro Estado, iniciar uma Unidade TSKF do zero e sem nenhuma referência?

Unicamente a minha fé na fé que o Mestre Gabriel tinha em mim. Ele acreditava que eu poderia empreender com sucesso em BH. E, há muitos anos, eu aceitei o Mestre Gabriel como meu Mestre. Como eu tenho fé no meu Mestre, eu passei a acreditar que seria bem sucedido aqui.

Quando você tomou a decisão de ir para Belo Horizonte, como você preparou as suas Unidades?
Eu já havia deixado as unidades Consolação e Mooca nas mãos dos meus sócios. Alguns deles seguem conosco até hoje, enquanto outros se tornaram o que eu chamo de “folhas ao vento”, pessoas que vem e vão sem conseguir criar raízes e estruturas fortes no Kung Fu. Felizmente, existem profissionais dispostos a trabalhar a mais para suprir quem trabalha a menos e nos adaptamos bem à essa mudança.

Algo parecido aconteceu na Vila Madalena, onde eu confiei em pessoas que me decepcionaram também. Isso foi ruim por um lado e bom por outro. Ruim porque a unidade sofreu com a saída de instrutores, mas bom porque nos tornamos mais criteriosos com as pessoas que começam a dar aulas na TSKF e eu pude aprender um pouco da melhor técnica de Kung Fu que vejo no Mestre Gabriel: a capacidade de ler pessoas e saber quem elas são por baixo do véu que apresentam para a sociedade. Claro, ainda estou aprendendo e treinando isso, mas sem dúvida as adversidades oferecem uma grande oportunidade de melhoria.

E a sua família, como ela reagiu? Sabemos que a sua esposa lhe acompanhou nessa jornada, como foi a aceitação dela?

Meus pais e irmão estranharam, mas me apoiaram. Na verdade, a minha família mesmo é minha esposa e ela foi louca o bastante para não apenas aprovar, mas me ajudar neste processo e cuidar de coisas na academia onde a minha visão não é tão apurada quanto a dela.

E sobre os primeiros dias de aulas em Belo Horizonte, o que você pensou?

Na TSKF temos um processo claro e simples para captar e manter os alunos. A única coisa que eu pensava era em reproduzir com a máxima perfeição tudo o que o Mestre Gabriel me ensinou e eu pratiquei em minhas unidades anteriores. Gostaria até de poder dramatizar isso um pouco, mas na verdade o “timing” da academia foi tão bom, muito por conta do método TSKF, que chegamos à marca de 100 alunos em pouco mais de 6 meses. Tenho consciência que muitos mestres de Kung Fu de MG nunca tiveram 100 alunos, então foi bastante gratificante.

Todas as boas histórias tem as suas dificuldades, você poderia nos contar uma dificuldade que teve em Belo Horizonte, na época em que dava as aulas sozinho na Unidade B. Preto?

Eu acho que o maior desafio era puxar todas as aulas. Nos dias mais fáceis, 3 aulas. Nos dias normais, 6 aulas. Nos dias cheios, 9 aulas. Era bastante cansativo, mas eu acho que valeu muito o esforço, uma vez que esse é o meu trabalho e sei que sempre existirão épocas mais fáceis e épocas mais desafiadoras. Mas são apenas fases que vem e vão e elas servem para aprimorar sua Força de Vontade e seu Kung Fu.

Como você vê o Kung Fu hoje em Minas Gerais?

O Kung Fu de MG é muito bom e contamos com uma grande diversidade de escolas e estilos. E acho que, cada vez mais, cada escola e academia será uma parte do mercado, não necessariamente concorrentes no sentido de inimigos, mas no sentido de “players” de um mesmo mercado.

Agora pensando a longo prazo, como você vê a TSKF daqui a 10 anos em Minas Gerais?


Teremos mais unidades em BH e sem dúvida, teremos presença em mais duas ou três cidades aqui no Estado. Temos pessoas de valor para isso e estamos cuidando para que sejam ainda melhores e mais bem preparados para o desafio.

Obrigado!

www.tskf.com.br/academias