sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

A vida é um lixo, não é?

__ Nossa a cidade está suja, as pessoas estão fedidas, o café está amargo, meu chefe é um banana, minha mulher é uma frígida, meu filho é um vagabundo, minha sogra uma jararaca, minha família um hospício e meu dia preto e branco...

Se você concorda com a afirmação acima, seu dia está um lixo, e a culpa é sua...
E por mais estranho que possa parecer, moramos no mesmo planeta, provavelmente no mesmo país, possivelmente no mesmo estado, quem sabe até na mesma cidade, o bairro talvez seja o mesmo, e o meu dia é colorido tudo bem que moro na frei caneca, minha cidade está ótima para o meu dia, todos ao meu redor sorriam, por um acaso o café está uma delícia e eu não tenho um chefe, tenho mais de 2000, Rs.

Por que estamos tão perto um do outro, mas em realidades tão diferentes e distantes???

A diferença está no uso de uma ferramenta que está disponível à todos, e que eu sei que posso usar e que eventualmente uso, mas talvez, pessoas que todos os dias exclamem frases iguais aquela do início, sequer sabem que a ferramenta existe... O que separa essas duas realidades é a GRATIDÃO!

Ah tá, entendi, tenho que dizer obrigado quando alguém me fizer gentilezas e minha vida vai mudar?
NÃO!

Por mais que pareça óbvio, ser grato não é dizer obrigado, não é aceitar tudo de boca calada, nem tampouco ser vítima das circunstâncias. Ser grato é exatamente o oposto.

Viver é escolher, sobreviver é aceitar, morrer é desistir.

Com base nessa máxima, é possível refletir sobre a gratidão partindo de uma ótica diferente do comum, diferente da ideia de subserviência.

Imagine que você, até hoje, com todas as experiências que obteve durante sua vida, construiu um repertório de capacidades e estratégias, certo?

Essas capacidades e estratégias são suas ferramentas hoje, e você se comporta com base naquilo que já viveu e nas experiências que já teve. Sabemos que dentro da sua caixa de ferramentas existe uma infinidade de comportamentos que você aprendeu, que te fazem capaz de ser quem você é, do jeitinho que você é.

Agora, lembre-se de quando você era criança (ou se não lembra, imagine), quando você queria algo e não conseguia, você chorava... Passaram-se os anos e você já mais velho(a) com seus 20 anos, continua a chorar quando não consegue algo. Entenda que quando era criança alguém lhe acudia, lhe auxiliava, e você então conseguia o que queria, mas hoje com 20 anos, quando você chora, as pessoas ao seu redor acham ridículo ou sentem pena de você quando chora.

O choro era uma ferramenta eficaz na infância, era uma estratégia muito boa para a época, mas agora já não é mais, pois o máximo que você consegue com isso é consolo, e não o êxito esperado...

A gratidão é uma ferramenta magnífica, é estratégia de gente grande, mas grande mesmo, gente que procura entender como o mundo funciona, como tirar proveito disso sem que ninguém saia lesado. A gratidão é a ferramenta que faltava na sua caixa de ferramentas.

Três passos são importantes para esse processo (não são os únicos, nem os mais importantes, mas são muito úteis e relevantes):

Humildade
Aquele que se faz humilde, se faz flexível, é como a água. Consegue se transformar, e transbordar, ou seja, ir além da borda, transcender, evoluir, sair do medíocre e se transformar no que quiser ser.

A pessoa humilde, mesmo tendo suas convicções, ouve, reflete e isso traz um significativo ao aumento de percepção, é quando o indivíduo consegue perceber ou criar novas possibilidades.

Confiança
Aquele que confia em algo, em alguém ou em si mesmo, consegue criar convicção para enfrentar as vicissitudes cotidianas. Sem confiança, definitivamente é impossível ser grato.

O indivíduo desconfiado, é volúvel, incrédulo e sem a persistência e resistência necessárias para a evolução, e geralmente quando identifica pontos de desconfiança em tudo e todos, é por que ele mesmo não é alguém tão confiável.

Diligência
Toda ação isenta de preguiça, tem maior probabilidade de gerar resultados adequados.

A humildade é importante, mas sem a convicção é apenas subserviência.
A confiança é importante, mas sem inteligência e programação não passa de um esforço desnecessário.

Mudar a realidade é uma atitude de coragem, pois dá trabalho, é desafiador e muitas vezes vai contra o que as principais pessoas de nossas vidas pregam, mas é libertador.

Quem é grato entende que sua existência já é o maior motivo para celebração.

Entende que tudo a sua volta contribui para sua evolução, para sua felicidade e para o seu sucesso, então respeita a tudo e a todos em retribuição ao papel que tudo tem em sua jornada.


  • Quem é grato não depende do sorriso de ninguém para sorrir, pois por si só tem muita alegria, entretanto, por sorrir constantemente, colhe sorrisos a cada metro percorrido.
  • Não depende de dinheiro para ser feliz, e justamente por isso tem muito dinheiro, afinal, a falta dele trás situações de infelicidade.
  • Quem é grato sabe que tudo tem valor, e que o valor útil de cada coisa varia de pessoa pra pessoa, e sempre que isso tenha que ser negociado, o valor utilitário da transação tem que ser maior do que o valor financeiro, e assim a negociação será justa.
  • Quem é grato sabe que o mais importante que se pode carregar nessa vida é o conhecimento, e que o conhecimento te conduz para onde VOCÊ quer.
  • Quem é grato, devolve ao mundo todos os bens que recebeu de presente em forma de obras, por exemplo:
Quem pinta bem, por gratidão deixa ao mundo belas pinturas como retribuição.
Quem constrói prédios bem, por gratidão deixa ao mundo prédios seguros como retribuição.
Quem se comunica bem, deixa ao mundo belas mensagens como retribuição.
Quem gerencia bem o dinheiro, por gratidão deixa ao mundo muito dinheiro em circulação para benefício de outros como retribuição.

Quem é grato é honesto, pois devolve ao dono o que lhe foi emprestado.