sexta-feira, 20 de julho de 2012

O sonho de Jiao Li - Parte II


###############################################
Se você ainda não leu a Parte I, pode ler aqui.
###############################################

Ainda dentro do sonho, ele estava agora acordando, saindo de sua tenda ouvindo um barulho alto e gritos, estavam sendo atacados! Mas o inimigo parecia meio desorganizado e ao mesmo tempo furioso. Pela luz do dia, Jiao Li deduziu que estavam no começo da hora do Dragão e muito soldados foram atacados ainda dentro de suas tendas! O próprio Jiao Li só não foi ferido pois sempre dorme com sua espada próximo a si e isso o permitiu salvar vários soldados de tendas próximas que ainda estavam se levantando.

Felizmente, um batalhão vizinho ao seu mandou reforços e rapidamente os invasores foram contidos e, seu líder, preso e levado à presença de Jiao Li.

"Quem é você por quê nos atacou?" perguntou um irado Jiao Li
O homem, meio choroso, respondeu:
"Meu nome é Yu Wan senhor. Sou o líder da vila ao lado. Nosso povo decidiu atacar o senhor pela ofensa que seu batalhão nos fez recentemente. Sou um homem de paz, mas devo cumprir com meu dever quando é necessário!"
"Ofensa? Do que está falando homem?! Nós estamos aqui em paz com vocês, somos do mesmo reino!"
"Sim, somos. Entretanto, seus homens, nos últimos dias, passaram a nos pagar menos pelas mercadorias que fornecemos e a pegar suprimentos sem pagar nada por isso, dizendo que isso seria visto depois. Fomos tolerantes nos primeiros dias, mas depois disso, a situação ficou insustentável, pois temos nossas crianças para alimentar e precisamos do dinheiro para comprar outras mercadorias que não dispomos em nossa vila."

Jiao Li mandou então chamar o responsável pelas despesas, que atendeu prontamente, mas meio espantado com tudo.

"Senhor, paguei tudo e registrei nos pergaminhos, como sempre faço. Talvez tenha deixado de lado um ou outro registro de menor importância, afinal, damos tanto dinheiro para a vila que um pouco a mais ou a menos não fará diferença, certo? Deixe-me ver os registros..." Passou então a procurar algo em uma sacola grande.

Ficou nítido para todos que o contador estava embriagado e não sabia bem o que procurava...Puxou enfim um pergaminho e, entregando a Jiao Li, que em rápida análise, verificou que os registros estavam incompletos, faltando itens no pedido que eram sempre feitos de um mesmo modo. De imediato, pediu desculpas ao líder da vila, chamou seu secretário para que pagasse o homem sem demora, mas que anotasse o nome do contador para que fosse punido posteriormente. O secretário então perguntou ao contador:

"Qual seu nome, desleixado?"

O contador, envergonhado respondeu:

"É Jiao Li, senhor..."

Antes que o capitão Jiao Li pudesse se manifestar sobre a coincidência, um soldado veio correndo a lhe chamar: a tenda médica precisava da presença dele imediatamente.

Deixando orientações para que seu secretário o seguisse, Jiao Li rumou para a tenda.

Ao chegar nela, viu um caos organizado. Pessoas correndo de um lado para outro e ordens sendo gritadas pelo velho médico, há anos cuidando de todos no exército de Bao Cheng. Faltando talvez um ou dois anos para a aposentadoria, o médico nunca mencionou sua vila natal e nunca manifestou nenhum desejo que não fosse cuidar dos que precisavam de sua assistência.

Com a deferência devida aos mais velhos e experientes, apesar de sua autoridade, Jiao Li se aproximou:

_Senhor Yi Sheng, pediu que eu viesse?

Um irritado Yi Sheng respondeu, com a cólera que era longamente conhecida quando havia algo errado:

_Claro que chamei, capitão-menino! Veja, não sei o que anda fazendo com as tropas, mas já vi que seu Kung Fu não serve muito para liderar pessoas! Veja esses homens que foram feridos no ataque que tivemos há pouco!

De fato, haviam alguns homens com ferimentos abertos e sangrando, alguns sendo cuidados, mas aparentemente faltava algo. Nada muito grave, comparado com um verdadeiro campo de batalha, mas ainda assim, que necessitava da devida atenção.

_Muito bem capitão-menino. Você está vendo que os homens estão feridos, alguns sendo cuidados e outros não, apesar de eu ter à minha disposição uma quantidade de enfermeiros que podem cuidar de vários batalhões ao mesmo tempo. Você faz idéia do motivo, senhor-jovem?

Jiao Li balançou a cabeça em silêncio, considerando-se meio tolo por não saber algo tão básico sobre o cuidado de tropas.

_Pois bem eu lhe digo! Eu não tenho como fazer faixas e não tenho como limpar os ferimentos porque não tenho P-A-N-O-S!! É uma coisa muita básica jovem senhor, mas alguém não está fazendo a sua parte e, por isso, não posso fazer a minha! Peço sua ajuda para que alguns traseiros sejam chutados e eu tenha sem demora os panos! Se eu não limpar e tratar as feridas rapidamente, corremos o risco de infecções e, como sabemos, infecções podem levar à morte! O que o General Bao Cheng diria!?

Neste momento o secretário de Jiao Li chegou, num andar apressado, informando que a situação com o contador estava resolvida. O "capitão-menino" o colocou novamente à correr, em busca do responsável pelos panos.

Em poucos momentos o lavador estava na presença do capitão e passou a se explicar:

_Veja bem, meu senhor. Não estamos em ação de guerra neste momento! Assim, qual a necessidade de se manter tantos panos prontos para uso? Depois da semana de folga que o senhor me deu, fiquei a pensar que realmente não precisávamos de tantos panos disponíveis de uma única vez. Assim, deixei nosso estoque de uso ficar no mínimo, até a próxima movimentação de combate. Como poderia saber que seríamos atacados por nossa própria gente?

Yi Sheng se intrometeu na explicação, cansado de tudo aquilo e com a nítida cara de "tenho mais o que fazer":

_Muito bem, muito bem meus jovens. Eu não tenho mais tempo para perder com a displicência de vocês! Senhor secretário, peço que me traga as roupas do Capitão Jiao Li e do nosso lavador, além das roupas limpas que puderem ser encontradas e removidas de suas tendas. Alguns soldados talvez fiquem sem suas calças, outros tenham que ficar seminus, mas não teremos risco de infecção.

E emendou, azedo:

_E tenho certeza que o jovem Capitão concorda com a minha decisão...

Jiao Li ficou muito envergonhado de receber ordens do médico na frente dos outros, mas ficou sem palavras, pois a Razão estava com o velho. Pediu ao secretário que depois, trouxesse o valor que deveria ser gasto para repor as vestimentas. Ele pagaria tudo do próprio soldo.

Passado o momento de constrangimento, virou-se então para o lavador e rosnou:

_Seu nome será anotado, imprestável! Uma coisa é descansar o descanso justo, a outra e tomar decisões que o levam para o caminho mais fácil, no lugar do caminho certo. Diga-me seu nome para o registro!!

_É Jiao Li, senhor...

FIM DA PARTE II