terça-feira, 26 de outubro de 2010

Resistindo a Resistência

Nosso último teste em cada exame é o teste de Resistência, onde o aluno deverá ficar na postura do cavalo, com os dois braços à frente, por um tempo determinado, de acordo com a sua graduação.

Muitos (eu inclusive) consideram este teste especialmente difícil, uma vez que ele é realizado após o corpo já estar com um certo nível de fadiga. Mas na verdade, creio que o principal problema seja outro.

A Resistência é um exercício físico e mental ao mesmo tempo. Por mais forte ou musculoso que seja seu corpo, a estrutura vai fadigar em um determinado momento. Podemos dizer que a "energia do músculo" acaba e a sensação de queima se apodera das pernas.

A partir deste ponto é que começamos a entender um pouquinho mais o que é ser um Artista Marcial. É a mente que determina a continuidade na posição, apesar do corpo reclamar e pedir descanso. Fomos geneticamente programados para procurar preservar a nossa estrutura corporal. Se colocamos a mão no fogo, nosso reflexo age antes para se afastar do fogo, antes de pensarmos racionalmente. Em escala menor de "reflexo", quando nossas pernas cansam, nosso corpo pede para que descansemos. Pede para que pare o que está gerando o cansaço.

Mas nossa mente sabe onde quer chegar e que podemos fazer muito mais do que a nossa limitação corporal encerra. Por isso, aqueles que tem uma mente focada em um objetivo específico conseguem ficar o tempo necessário de sua faixa, ou até mais. A dor é suportável. O desconforto é suportável. O suor nos olhos é suportável. Desistir sem ter feito realmente o seu melhor, até o limite, é que é insuportável.

Voltando ao aspecto físico, é importante lembrar que a resistência deve ser feito com uma distância entre as pernas confortável. Este "confortável" varia bastante de pessoa para pessoa. Pessoas mais esguias, tendem a ficar confortáveis com uma distância grande entre as pernas. Pessoas mais atarracadas, tendem a ficar confortáveis com uma distância menor entre as pernas. Claro que a distância maior ou menor não significa deixar a postura incorreta, por isso, sempre busque a orientação do seu instrutor.