quinta-feira, 4 de julho de 2013

O que é importante e o que é urgente?

Quanto eu trabalhava em meu antigo emprego, eu tinha uma chefe fabulosa, mas que tinha certa dificuldade em estabelecer prioridades para os projetos que eu cuidava. Já eu tinha dificuldade em trabalhar sem prioridades. Significava muito para mim entregar aquilo que esperavam de mim, com a qualidade combinada.

Ela se estressava comigo, já que eu sempre perguntava: "Ok, chefa. Tenho essas mil tarefas aqui. Qual é a prioridade delas?". Por outro lado, eu me estressava sempre com a resposta: "Querido, tudo é prioridade".

Isso sempre soava como um "se vira" ou "dá seus pulos". Eu ficava enlouquecido com isso...

Naturalmente, além dela, os clientes me ligavam com demandas, os pares da minha chefe me acionavam com demandas e os chefes da minha chefa faziam o mesmo. Uma salada.

Até que um dia eu parei de ficar maluco com isso. Eu concebi um sistema fantástico chamado SVCP (Se Virem Com as Prioridades). Na verdade o nome era SFCP, mas mudei um pouco depois porque seria difícil explicar em detalhes...

O sistema era o seguinte:

1- Alguém me acionava com uma demanda
2- A demanda ganhava o topo da lista de prioridades e eu começava a trabalhar nela imediatamente, com todo o esforço
3- Outro alguém me acionava com outra demanda
4- A demanda ganhava o topo da lista de prioridades e eu começava a trabalhar nela imediatamente, com todo o esforço
5- O primeiro demandante me acionava para cobrar sua solicitação. Eu explicava diplomaticamente que estava atuando em outra demanda, mas que passaria a dar foco total no que ele precisava. E assim fazia.
6- A demanda ganhava o topo da lista de prioridades e eu começava a trabalhar nela imediatamente, com todo o esforço
7- O outro demandante me acionava para cobrar sua solicitação. Eu explicava diplomaticamente que estava atuando em outra demanda, mas que passaria a dar foco total no que ele precisava. E assim fazia.
8- A demanda ganhava o topo da lista de prioridades e eu começava a trabalhar nela imediatamente, com todo o esforço

E assim a coisa seguia, para meu total divertimento. Imagine as oito etapas acima, mas envolvendo 20 ou 30 demandas e demandantes. Nunca ri tanto como naqueles dias...

Ainda assim eu sabia que, para entregar os resultados que eu mesmo esperava de mim, seria preciso fazer uma coisa de cada vez. Terminar uma coisa por vez. Ter tanta coisa ao mesmo tempo na agenda me fez perceber ainda mais a importância disso. Só não havia como fazer isso no momento.

Quando tudo é prioridade, nada é prioridade. Nós somos capazes de criar sistemas multitarefas, mas isso não nos torna multitarefas (eu adoraria ser...)

Em nossa vida, quando deixamos tudo se tornar prioridade, acabamos por deixar de lado algumas coisas, coisas que "gritam menos" em nossa consciência.

Deixamos de lado nossos relacionamentos, até que nosso parceiro ou parceira acende um alerta vermelho para a relação. Quando isso não acontece, a relação simplesmente termina.

Deixamos de lado nosso sono, até que nosso corpo e mente manifestam um alerta, afinal, durante a semana você dorme tarde para cumprir sua agenda cheia. De final de semana, as baladas é que têm a sua cota. Mas uma hora o corpo vai sinalizar que sua prioridade deve mudar.

Deixamos de lado uma boa alimentação, muitas vezes em troca de economizar alguns minutos de uma refeição para pode voltar ao trabalho (que "grita" mais). Uma hora o corpo vai gritar e, acredite em mim, não é bonito quando ele faz isso rápido. Quando ele faz devagar, dói menos no sentido literal, mas dói mais no espelho...

Deixamos de lado nosso treino de Kung Fu, já que, via de regra, não temos o hábito de ficar gritando com os alunos que não aparecem. Incentivamos sempre, "puxamos a orelha", porque é assim que gostamos de fazer a coisa. Mas sabemos também que seu corpo vai "gritar" por nós quando você tiver que subir aquele lance de escada ou tiver um dia que requisitar um pouco mais da sua energia.

Não que seja fácil, mas para aqueles que souberem conquistar a capacidade de priorizar o que é importante em detrimento do que é urgente, conseguirão produzir muito mais, com muito mais qualidade e sem ter que trocar saúde, relacionamentos e equilíbrio de suas vidas.

Ah sim! Meu sistema SVCP teve vida curta. Minha nova chefa, que entrou no lugar da minha antiga chefa, tinha uma forma de trabalhar diferente, onde eu recebia demandas apenas dela e ela centralizava o "atendimento" aos outros demandantes. Ela não tinha a vida fácil, mas ela sempre tinha fotos novas para compartilhar no orkut (sim, éramos desse tempo) sobre os finais de semana na praia com o marido.

Afinal, nem tudo que é importante, é também urgente.