sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Capitão de seu próprio navio

Com a proximidade de mais um Curso de Instrutor, me lembrei de uma das passagens mais marcantes para mim de edições anteriores. E creio que esta passagem é justamente quando o Mestre disse que cada um de nós deve aprender a tornar-se o "Capitão de seu próprio navio".

Você é o decisor dos rumos da sua vida?

Provavelmente algumas pessoas responderiam "sim" a esta pergunta, imediatamente. Mas a resposta, apesar de simples, envolve uma questão muito complexa, que pode nos levar a responder a pergunta de maneira errada.

Quando somos jovens, nossos pais e familiares tomam praticamente todas as decisões para nós e assim seguimos nos desenvolvendo e amadurecendo, sempre com orientação e direcionamento.

Eu vejo aquelas matérias na mídia que dizem que "os jovens é que ditam as tendências de consumo". Nada mais equivocado, ao meu ver. É o orçamentos dos pais que dita a tendência de consumo. Neste momento, se você pensar em celular, as opções mais faladas são o iPhone e o Galaxy S II. Todos os jovens podem ter um destes? Não? Ah! Você vai ter um mais simples, que talvez tenha ganhado de Natal e vai fazer um bom uso dele, mesmo que não seja "a tendência de consumo". Quem tomou a decisão do consumo, neste caso?

(se vc tem um dos dois modelos que eu citei, não se sinta mal por isso...Significa apenas que seus pais podem te dar um desses, portanto, retribua o presente da maneira adequada)

Ao atingirmos nossa fase adulta (que chega em idades diferentes para cada pessoa, mentalmente falando) nós podemos assumir o controle do processo de decisão sobre nossa vida. Veja que escrevi "podemos assumir" e não "assumiremos".

Com menos idade, somos induzidos ao hábito de deixar decisões externas influenciarem a nossa conduta própria. Isso nos ajuda muito a criar alguns hábitos, por exemplo, escovar os dentes, tomar banho, comer verduras. Já pensou se desde cedo pudemos decidir o que comer e quando tomar banho livremente?

Mas quando deveríamos assumir o controle do processo de decisão sobre nossos rumos, estamos ainda presos ao hábito de permitir influências externas. É a mãe, é o pai, é a namorada(o), é a esposa (o), são os amigos, é o chefe, é a televisão, é o senso comum (que te mantém sendo uma pessoa comum e não uma pessoa extraordinária). Todos ou alguns deles podem ser os verdadeiros decisores de sua vida, e não você!

Existe um quadro um pouco diferente deste acima, mas igualmente perigoso, quando você PENSA que é o decisor. E é aqui que as pessoas correm grande risco de ficar ao longo da vida, sem ver que são conduzidas. A pessoa entende que ela é a decisora de seus próprios rumos e segue um determinado caminho. Praticar Kung Fu, por exemplo. Num belo dia, a namorada chama para fazer algo no lugar de ir treinar e ele vai. No dia seguinte, vem treinar para compensar.

Num outro dia qualquer, a família quer fazer uma reunião com todos e ele não vai treinar para ficar com os familiares. Outro dia vai compensar. Num dia da semana, ele quer ir treinar, mas o chefe diz que ele vai precisar ficar até mais tarde para fazer qualquer coisa que poderia esperar o dia seguinte e ele não vai treinar. Quando pensa, no dia seguinte em ir treinar, a namorada reclama que ele não a viu no dia anterior e nem ligou para ela (pois estava fulo da vida com o trabalho extra). Então o camarada não vai treinar e vai ver a namorada.

Quando menos esperar, nosso caro Sr. Exemplo parou de treinar e nem sabe dizer o motivo.

Infelizmente, todos correm o risco de ficar nesta situação. Inclusive os sócios e instrutores da nossa academia, que fizeram o Curso com nosso Mestre e o escutaram falar a respeito disso, explicando inclusive como fazer para se prevenir deste cenário.

É claro que o caminho para conquistar nossos sonhos não é uma reta e todos nós, vez ou outra, temos que fazer algum desvio no percurso, ou ainda fazer uma "parada" em nosso jornada. Da mesma forma que um capitão de seu próprio navio faz uma parada estratégica em um porto para escapar de uma tempestade que sua embarcação não pode enfrentar. Ou ainda, como qualquer Pirata do Caribe ser humano, pára para aproveitar um merecido descanso. Mas ele deve ter a Determinação necessária para avançar e o Compromisso de chegar onde se deve.

Não apenas por isso, mas também por isso, tenho certeza que todos os inscritos e presentes para o Curso de Instrutor deste ano terão algumas horas muito produtivas voltadas para seu próprio desenvolvimento.